search

Mais de 90% do nosso tempo é passado no interior de Edifícios, em que o ar pode ser 2 a 10 vezes mais poluído que o ar exterior (EPA)

Serviço Certificado ISO 9001:2008

A Síndrome dos Edifícios Doentes, descrita como um conjunto de sintomas físicos sem causas claramente identificáveis:

- Dores de cabeça
- Fadiga
- Tosse
- Irritação do nariz e garganta
- Inflamação Ocular
- Díficil Concentração
- Afecções respiratórias
- Náuseas
- Pele seca e irritada

 

São vários os factores de risco com implicação para saúde:

- Materiais de construção dos edifícios
- Deficiente renovação do ar
- Má conservação dos sistemas de climatização
- Processos de fabrico com libertação de vapores poeiras e metais
- Tabaco
- Agentes de limpeza
- Inadequação do projecto

 

Face à prolongada permanência em ambientes climatizados, é essencial minimizar o risco para a saúde dos ocupantes, começando por identificar os principais poluentes através da Avaliação da Qualidade do Ar Interior:

Avaliação do Stress Térmico
A temperatura e humidade no interior dos edifícios devem ser adequados à época do ano e ao tipo de utilização do edifício. O desvio dos níveis de conforto térmico é o primeiro factor percepcionado pelos ocupantes, para além de afectar o grau de contaminação do ar.


Análise de contaminantes químicos
A contaminação do ar tem origem em fontes no interior do edifício e também pode ser introduzida do exterior (emissões gasosas de instalações induntriais e de tráfego). Entre os principais contaminantes destacam-se:

- Monóxido e Dióxido de carbono
- Óxidos de enxofre
- Ozono
- Partículas (poeiras, pólenes, fibras e aerossóis)
- Compostos orgânicos voláteis (formaldeído, acetato de etilo, tolueno, tricloroetileno, ...).

Pesquisa de Microorganismos
Determinadas condições ambientais, como elevada humidade e pó, são propícias ao desenvolvimento de microorganismos. Humidificadores, desumidificadores e torres de arrefecimento são reservatórios com boas condições para o desenvolvimento de fungos e bactérias, sendo posteriormente libertados para o ambiente. A pesquisa no ar e na água abrange:

- Legionella
- Fungos
- Bactérias

 

Avaliação da Qualidade do Ar Interior / Certificação QAI

Em 2006 entrou em vigor o Decreto Lei n.º79/2006 onde é imposta a Avaliação da Qualidade do Ar Interior "(...) nos edifícios por forma a assegurar a adequada manutenção da qualidade do mesmo, minimizando os riscos de problemas e devolvendo ao público a confiança nos ambientes interiores tratados com sistemas de climatização (...)"

A DPM, através do serviço certificado Avaliação da Qualidade do Ar Interior, identifica os principais poluentes de modo a minimizar o risco para a saúde dos ocupantes dos edifícios. Este Serviço inclui:

  • Caracterização do edifício e sistemas de ventilação e climatização
  • Controlo analíico do ar
  • Avaliação do ambiente térmico
  • Avaliação de contaminantes químicos
  • Avaliação das condições higiénicas do sistema AVAC
  • Determinação da capacidade de filtrafem do sistema
  • Determinação dos caudais de renovação de ar por espaço
  • Inspecção de equipamentos e condutas

 

Certificação Energética + Certificação QAI

A DPM, associada à sua empresa parceira PLM (que também integra a estrutra IPG), criou o serviço integrado Certificação Energética e da QAI tendo como objectivo ir de encontro às necessidades dos seus Cliente.

Assim a DPM/PLM, integrando nos seus quadros Peritos Qualificados acreditados pela entidade oficial (ADENE), apresenta uma solução integrada onde todas as metodologias de tabalhos são consolidadas e reconhecidas através da Certificação de Qualidade no âmbito da ISO 9001:2008 e culmina com a emissão do Certificado Energético e da QAI, em conformidade com dispostos no documento legal RSECE.

 

Grupo IPG - De Especialistas para Profissionais
JSN Mico template designed by JoomlaShine.com